quarta-feira, 31 de março de 2010

Invasão Clandestina à terra dos tapetes!!!


Está em marcha mais uma invasão Clandestina às desérticas terras marroquinas. Sete bravos já têm lugar marcado, prontos para ajudarem o grande VSC a atingir o 4º lugar e a dar (mais) um rombo nas aspirações marroquinas de chegar à champions. Como dizia um certo senhor: rapidamente e em força... à conquista dos infieis!

Força Vitória, até os comemos!!


Ps.: a cascata ainda não morreu, todos com rolos de papel higiénico para pintarmos a pedreira de branco (já esgotaram os 1000 bilhetes a 10 euros, restam 250 a 20 euros e mais iriam se os marrocas não tivessem medo de uma... INVASÃO)

terça-feira, 30 de março de 2010

segunda-feira, 29 de março de 2010

REEMBOLSO DO IVA SOBRE AUTOMÓVEIS COMPRADOS NOS ÚLTIMOS 4 ANOS

Julgo que a maioria, saberá que há já vários anos que o estado português, vem cobrando o IVA sobre o Imposto Automóvel quando o Iva deveria ter sido calculado apenas sobre o preço base do carro antes de lhe ter sido somado o IA - daria lugar ao pagamento dum valor substancialmente mais baixo.

A Comunidade Europeia instaurou um processo ao Governo Português, obrigando-o, não ao pagamento de uma coima, mas sim à abolição de tal ilegalidade. Assim o Governo Português é agora obrigado a devolver as verbas ilegalmente cobradas. Porém, só o fará a quem requerer a devolução dessa quantia. Saquem a imagem acima e no centro têem um exemplo de carta a endereçar as finanças.

in:http://www.4rodas1volante.com/

Como despertar o atleta que ha em ti

video

sexta-feira, 26 de março de 2010

QUE LINDA!!!


A quem o fez, um grande abraço!

http://movimento1128.blogspot.com

quarta-feira, 24 de março de 2010

Campeonato pode ser impugnado


Castigo de Hulk reduzido para três jogos e de Sapunaru para quatro

Hulk pode jogar já esta noite contra o Rio Ave. O Conselho de Justiça da Federação Portuguesa de Futebol decidiu hoje, quarta-feira, alterar os castigos aos jogadores do F.C. Porto Hulk e Sapunaru, para três e quatro jogos, respectivamente, na sequência dos incidentes no túnel do estádio da Luz.

Ao que o JN apurou, o Conselho de Justiça (CJ) reduziu o castigo a Hulk de quatro meses para quatro jogos e a Sapunaru de seis meses para três jogos de suspensão.

A argumentação do CJ ainda não é conhecida, mas dada a alteração aos castigos, supõe-se que não tenha considerado os "stewards" como "intervenientes no jogo", contrariando, assim, a fundamentação da Comisssão Disciplinar da Liga, que aplicou os castigos com base na tese de que os agentes de recinto desportivo seriam intervenientes do jogo.

Em análise, estava o recurso dos dois jogadores, feito pelo F. C. Porto, sobre a deliberação da Comissão Disciplinar (CD) da Liga que puniu Hulk com quatro meses de suspensão e Sapunaru com seis por, segundo o acórdão da CD, terem agredido stewards que se encontravam no túnel de acesso aos balneários do Estádio da Luz, no final do jogo entre o Benfica e o F. C. Porto, disputado a 20 de Dezembro.

Com base nesta decisão, Hulk pode já jogar esta noite frente ao Rio Ave, em jogo da primeira-mão das meias-finais da Taça de Portugal. A decisão está nas mãos de Jesualdo Ferreira.

Em relação a Vandinho, não houve qualquer alteração. Mantém-se os três meses de castigo. Em causa estava uma alegada agressão a um treinador-adjunto do Benfica, com o CJ Da FPF derar que se trata de um interveniente no jogo, conforme considerou também a CD sa Liga.

in JN

segunda-feira, 22 de março de 2010

sábado, 20 de março de 2010




Já está..! Entre péssimo e péssimo, branquinho é melhor hipótese

terça-feira, 16 de março de 2010

Quem é quem?!!!


Crónicas de Miguel Góis

"Gestão à Porto"
Abriu a época de caça a Jesualdo Ferreira, sobretudo entre os comentadores afectos ao FC Porto. O técnico que lapidou Bruno Alves, Fernando e Lisandro é apontado agora como o principal responsável pela má época da equipa, em ex aequo com um jurista que viu no monitor as imagens de dois jogadores a agredirem violentamente um segurança no final de uma partida e, sem que nada o fizesse prever, decidiu castigá-los de acordo com o que está escrito nos regulamentos. A magnífica e rigorosa gestão do FC Porto, dizem, não merece um treinador assim.
Era justamente nesta última frase que eu estava a pensar, quando começou a partida de terça à noite entre uma equipa que gastou esta época 11 milhões de euros em reforços - o Arsenal - e outra que desembolsou 31 milhões de euros - o FC Porto. Foi também essa frase que me ocorreu quando se começou a perceber que Diaby (que custou 3 milhões de euros) e Song (4 milhões de euros) dominavam o meio-campo do FC Porto, onde nem sequer constavam Belluschi (5 milhões de euros por 50% do passe) e Prediguer (4,2 milhões de euros). E também quando se tornou visível que Clichy (350 mil euros) estava a desempenhar bem melhor o papel de lateral-esquerdo do que Álvaro Pereira (4,5 milhões de euros por 80% do passe). E quando, no final do jogo, Bendtner (custo zero) somou mais três golos do que Hulk (5,5 milhões de euros por 50% do passe). Bom, talvez o resultado tivesse sido diferente se o lesionado Fàbregas (1,4 milhões de euros) e o preterido Tomás Costa (4 milhões de euros) tivessem alinhado.
E é esta a gestão que o presidente José Eduardo Bettencourt quer implementar no Sporting. Por mim, tudo bem.

segunda-feira, 15 de março de 2010

"Não sou português"


Deco: "Não sou português"

“Sou brasileiro. E não consigo ver a minha vida sem Portugal”, disse Deco em entrevista à Globo. “Amo Portugal por tudo o que me deu. Mas não sou português”, afirmou.

domingo, 14 de março de 2010

Põe um pé em Guimarães e vais ver o que quer dizer "javardos"

“Truques Uefeiros & Vaias caseiras” – Crónica de João Braga para sportingapoio.com


Confio nos nossos jogadores e na sua equipa técnica para levarem o Sporting Clube de Portugal aos quartos-de-final da Liga Europa. Para já estou-lhes muito reconhecido pelo feito, que considero heróico, de terem conseguido vir de Madrid com um empate na bagagem, apesar dos fingimentos miseráveis dos seus colegas do Atlético local, e da cumplicidade do porcalhão do holandês e da sua seita que arbitraram faltas idênticas às dos leões, ou mais graves, com critérios dúplices até dizer chega.

Terá sido por coincidência que a UEFA do famigerado Platini nomeou um natural do país a que pertencem o AZ Alkmaar, o Feyenoord, o Ajax, que o Sporting já eliminou em competições europeias anteriores, isto para não falar do Twente já nesta temporada? Está-se mesmo a ver que sim…

Entretanto, já neste Domingo, penso que devemos puxar de todo o nosso fair-play para irmos em massa ao nosso Estádio receber os javardos do Vitória de Guimarães para lhes dispensarmos toda a hospitalidade que merecem, por terem recusado mudar a data do jogo para 2ª feira, com o fim de dar mais um dia de descanso aos jogadores de um clube do seu país que tem de defrontar os castelhanos do Atlético madrileno na Quinta-feira seguinte.

Apelo especialmente aos associados e adeptos que insultaram, apuparam, assobiaram, a nossa equipa desde o começo desta temporada para que, treinados como creio que estejam nessa matéria, insultem, apupem, assobiem, estes minhotos de terceira categoria que se colocaram ao lado dos nossos adversários espanhóis.

João Braga



http://www.sportingapoio.com/noticias/truques-uefeiros-vaias-caseiras-cronica-de-joao-braga-para-sportingapoio-com/

terça-feira, 9 de março de 2010

Indignado e envergonhado!!!!

Queria aproveitar o blog para expressar a minha indignação pela humilhação em Londres!
Sinto-me humilhado,
espezinhado,
indignado,
e triste.

É lamentável!

"Cagadinho" chegou a tua hora e vai-te embora que a minha paciência esgotou-se. Em 4 anos só tiveste tomates contra o Manchester United!!!!
Nuno Coelho?!?!? Parece o outro que meteu o Costa e tirou o Jardel em 97.

(Estou a falar a quente mas há coisas que mexem com o meu sistema nervoso e poem-me doentes... é preciso ser mt cagão!!!!!!!)

Para o ano há mais!

Abraços!

Dois textos para reflectir...


Imaginem


Imaginem que todos os gestores públicos das 77 empresas do Estado decidiam voluntariamente baixar os seus vencimentos e prémios em dez por cento. Imaginem que decidiam fazer isso independentemente dos resultados. Se os resultados fossem bons as reduções contribuíam para a produtividade. Se fossem maus ajudavam em muito na recuperação. Imaginem que os gestores públicos optavam por carros dez por cento mais baratos e que reduziam as suas dotações de combustível em dez por cento. Imaginem que as suas despesas de representação diminuíam dez por cento também. Que retiravam dez por cento ao que debitam regularmente nos cartões de crédito das empresas. Imaginem ainda que os carros pagos pelo Estado para funções do Estado tinham ESTADO escrito na porta. Imaginem que só eram usados em funções do Estado. Imaginem que dispensavam dez por cento dos assessores e consultores e passavam a utilizar a prata da casa para o serviço público. Imaginem que gastavam dez por cento menos em pacotes de rescisão para quem trabalha e não se quer reformar. Imaginem que os gestores públicos do passado, que são os pensionistas milionários do presente, se inspiravam nisto e aceitavam uma redução de dez por cento nas suas pensões. Em todas as suas pensões. Eles acumulam várias. Não era nada de muito dramático. Ainda ficavam, todos, muito acima dos mil contos por mês. Imaginem que o faziam, por ética ou por vergonha. Imaginem que o faziam por consciência. Imaginem o efeito que isto teria no défice das contas públicas. Imaginem os postos de trabalho que se mantinham e os que se criavam. Imaginem os lugares a aumentar nas faculdades, nas escolas, nas creches e nos lares. Imaginem este dinheiro a ser usado em tribunais para reduzir dez por cento o tempo de espera por uma sentença. Ou no posto de saúde para esperarmos menos dez por cento do tempo por uma consulta ou por uma operação às cataratas. Imaginem remédios dez por cento mais baratos. Imaginem dentistas incluídos no serviço nacional de saúde. Imaginem a segurança que os municípios podiam comprar com esses dinheiros. Imaginem uma Polícia dez por cento mais bem paga, dez por cento mais bem equipada e mais motivada. Imaginem as pensões que se podiam actualizar. Imaginem todo esse dinheiro bem gerido. Imaginem IRC, IRS e IVA a descerem dez por cento também e a economia a soltar-se à velocidade de mais dez por cento em fábricas, lojas, ateliers, teatros, cinemas, estúdios, cafés, restaurantes e jardins.
Imaginem que o inédito acto de gestão de Fernando Pinto, da TAP, de baixar dez por cento as remunerações do seu Conselho de Administração nesta altura de crise na TAP, no país e no Mundo é seguido pelas outras setenta e sete empresas públicas em Portugal. Imaginem que a histórica decisão de Fernando Pinto de reduzir em dez por cento os prémios de gestão, independentemente dos resultados serem bons ou maus, é seguida pelas outras empresas públicas. Imaginem que é seguida por aquelas que distribuem prémios quando dão prejuízo.


Imaginem que país podíamos ser se o fizéssemos.

Imaginem que país seremos se não o fizermos.


Por Mário Crespo





QUALIDADE DE VIDA DO RENDIMENTO MINIMO


Qualidade de vida é receber 800 € mensais (ou mais) para não fazer nada.
Qualidade de vida é levantar á hora que se quer porque os outros trabalham para ele.
Qualidade de vida, é ter como única preocupação escolher a pastelaria onde vai tomar o pequeno-almoço e fumar as suas cigarradas, pagos com os impostos dos outros.
Qualidade de vida é ter uma casa paga pelos impostos dos outros, cuja manutenção é paga pelos impostos dos outros, é não ter preocupações com o condomínio, com o IMI, com SPREAD´S, com taxas de juro, com declaração de IRS.
Qualidade de vida é ter tempo para levar os filhos á escola, é ter tempo para ir buscar os filhos á escola, é poder (não significa querer) ter todo o tempo do mundo para acarinhar, apoiar, educar e estar na companhia dos seus filhos.
Qualidade de vida é não correr o risco de chegar a casa irritado, porque o dia de trabalho não correu muito bem e por isso não ter a paciência necessária para apoiar os filhos nos trabalhos da escola.
Qualidade de vida é não ter que pagar 250€ de mensalidade de infantário, porque mais uma vez é pago pelos impostos dos outros.
Qualidade de vida, é ainda receber gratuitamente e pago com os impostos dos que trabalham o computador Magalhães que de seguida vai vender na feira de Custóias, é receber gratuitamente todo o material didáctico necessário para o ano escolar dos seus filhos, e ainda achar que é pouco.
Qualidade de vida é ter as ditas instituições de solidariedade social, que se preocupam em angariar alimentos doados pelos que pagam impostos, para lhos levar a casa, porque, qualidade de vida é também nem se quer se dar ao trabalho de os ir buscar.
Qualidade de vida é não ter preocupação nenhuma excepto, saber o dia em que chega o carteiro com o cheque do rendimento mínimo.
Qualidade de vida é poder sentar no sofá sempre que lhe apetece e dizer “ TRABALHAI OTÁRIOS QUE EU PRECISO DE SER SUSTENTADO”.
Qualidade de vida é não ter despesas quase nenhumas, e por isso ter mais dinheiro disponível durante o mês, do que os tais OTÀRIOS que trabalham para ele.
Qualidade de vida é ainda ter tempo disponível para GAMAR uns auto-rádios, GAMAR uns carritos e ALIVIAR umas residências desses OTÀRIOS que estão ocupados a trabalhar OU ASSALTAR uma ourivesaria.
Qualidade de vida é ter tudo isto, e ainda ter uma CAMBADA DE HIPÓCRITAS a defende-lo todos os dias nos tribunais, na televisão, nos jornais.
Isto sim, isto é qualidade de vida.
Ass: UM OTÁRIO


Autoria desconhecida.


Explicação para a grande época benfiquista....

segunda-feira, 8 de março de 2010

Eu vou e tu?


Até podem dizer que não é decisivo mas com o calendário que o VSC tem até ao fim do campeonato este jogo intra-muros assume um relevo preponderante na luta europeia. Hoje são precisos 3 pontos, custe o que custar, doa a quem doer. Hoje vai ser preciso entrega e concentração máximas pois não podemos esquecer que o adversário tem um orçamento "enorme" apoiado no governo regional, luta pelos mesmos objectivos, tem apenas um ponto de atraso, tem vantangem no confronto directo devido ao 2-0 da 1ª mão (com dois penaltis mais do que duvidosos!!!) e é treinado pelo nosso conhecido Manuel Machado que conhece o Vitória como as palmas das suas mãos. Por tudo isto prevejo um jogo complicadissimo mas que pode trazer aquele sabor que apenas as coisas dificeis nos proporcionam. E como parece que finalmente começamos a aliar o bom futebol jogado com os resultados obtidos, tenho fé que vamos dar um passo importantissimo rumo aos nossos objectivos. Assim, força Branquinhos, até os comemos!!!


Ps.: os verdadeiros não se vão intimidar com o mau tempo, grande casa em perspectiva apesar da data e horário impróprios, para levarem a equipa ao colo mais uma vez...

Uma pequena curiosidade/refelcção

À dias vi as duas listas candidatas no site do Vitoria. Fiquei perplexo, estupefacto e sobretudo parvo com um pequeno facto de que me dei conta.
Nenhum dos candidatos a presidente é mais antigo do que eu! Isto pode não valer nada, ou melhor pode não valer se eu quiser que não valha, no entanto acho preocupante o que se passa, não com estes "Vitorianos", mas com todos os Vitorianos. Isto fez-me concluir duas coisas. Ou já não há VITORIANOS de sangue com capacidade financeira, ou pelo menos com amigos que a tenham, ou só há Vitorianos trafulhas e vira-casacas.

Após a reflexão que não me valeu de nada, vamos a números.
Na lista A há 5 sócios mais antigos que eu.
Na lista B há 5 sócios mais antigos que eu. (Curioso!)

Isto é:
- Se tivermos em conta que os números de sócio estão +/- relacionados e se aproximam tendo em conta as respectivas gerações, entende-se que as novas gerações (antes da minha que nem sequer sou um gajo velho) é que estão aí para as curvas. Têm dinheiro e amigos que também o têm. Melhor para eles.
- Se tivermos em conta que o numero de sócio nada tem a ver com a idade em que nos assumimos como adeptos de um clube e o apoiamos, mas sim com o sucesso que se constrói na vida, então concluo que afinal ainda há vacas gordas e novos ricos.
- Se tivermos em conta que o Vitoria precisa de um homem com h grande, por isto entenda-se, uma pessoa reconhecida (historicamente), com potencial financeiro, sério e que seja Vitoriano dos quatro costados, então estamos bem fdds porque nenhum destes preenche a 100% este perfil.

quinta-feira, 4 de março de 2010

Hipocrisia no seu maximo

Uma fatia maior do dinheiro gerado pela Liga dos Campeões deverá ser atribuído a clubes que não participam na competição. É esta a perspectiva de Fernando Gomes, dirigente do FC Porto presente no encontro da Soccerex, que decorreu hoje em Manchester. "Creio que a forma como as verbas da Champions League são distribuídas tem de ser analisada e alterada, por forma a dar mais dinheiro aos clubes e a equilibrar as competições domésticas", alertou.
"Se os clubes que não estão presentes na Liga dos Campeões receberem mais dinheiro, podem comprar melhores jogadores e aumentar a qualidade da competição. Se não conseguirem fazer isso, a qualidade decresce e o fooso interno aumenta", continua o vice-presidente dos "dragões".

A UEFA distribui cerca de 6,5 por cento das receitas anuais da Champions pelas 53 associações, num pacote que designa por "pagamentos de solidariedade", reservando um mínimo de 413 milhões de euros para as 32 equipas que entram na Liga dos Campeões. No melhor dos cenários, as equipas com mais sucesso na Champions podem encaixar um máximo de 40 milhões de euros por época.

Fernando Gomes entende que este desnível na repartição das verbas prejudica os países mais pequenos. "Por exemplo, o Debrecen, da Hungria, obteve 50 por cento das suas receitas totais pelo simples facto de chegar à fase de grupos. E há exemplos semelhantes no APOEL (Chipre) e no Unirea (Roménia). Este dinheiro desequilibra seriamente os campeonatos", alerta.

No seu primeiro ano de existência, em 1992-93, a Liga dos Campeões gerou 45 milhões de euros de receita. Actualmente, movimenta 1,15 mil milhões de euros. Guillaume Sabran, director de marketing da UEFA, sublinhou no fórum que este valor é susceptível de continuar a subir. "Estamos sempre à procura de formas de maximizar receitas para os clubes dentro e fora da competição, mas cabe aos decisores determinar como esse dinheiro é atribuído".

O FCP eh demais!! Agora que estao practicamente fora da champions exigem que se distribua o dinheiro…
Quer dizer… dominaram durante anos o campeonato nacional por causa desta estupidez mas agora que os ovos de ouro acabam ja querem distribuir riqueza???
Porra… que lata!!!! Muita mesmo!!!

Sera que o Pintinho esta com medo de nao ir a champions nos proximos anos?

quarta-feira, 3 de março de 2010

Crónicas de Zé Diogo Quintela

" José Eduardo Bettencourt "
Quando chegou do Brasil e lhe perguntaram se tinha acompanhado o Sporting, o presidente Bettencourt disse: «Infelizmente, estou a par». Já somos dois. Recapitulemos alguns factos.
Na campanha eleitoral recusa-se a debater com o outro candidato. Depois, diz «Paulo Bento forever», ficando refém de um treinador. Já eleito, dispensa Derlei e prefere ir buscar Caicedo.
Como primeiro presidente remunerado do Sporting, diz que vai ganhar menos que o Abel. Uma declaração deselegante para com um jogador do Sporting. Quando Paulo Bento sai, diz que os sócios ainda vão ter saudades dele, pondo desde logo em xeque o próximo treinador.
Ao mesmo tempo, depois de se ter batido para aumentar o número de sócios, chegando aos 100 mil (uma óptima medida), menospreza um sócio por ser o 90 e tal mil. Menospreza e quer bater.
Depois de não ter força para trazer Villas Boas da Académica, não consegue esconder esse facto e Carvalhal fica desde logo diminuído por se perceber que foi segunda escolha e por não ser apresentado à comunicação social, sendo antes apresentado on-line. O Sporting comunica mais com a CMVM do que com os sócios.
No mercado de Inverno não consegue o regresso de André Santos, porque no contrato de empréstimo o departamento jurídico do Sporting se esqueceu de colocar uma cláusula de resgate. Uma incompetência que devia ser o suficiente para o administrador responsável devolver o prémio. Descobre-se que o direito de preferência sobre Carlão se resume a um acordo verbal entre Pedro Barbosa e alguém do Leiria. Não vale nada, portanto.
Compra João Pereira. Boa contratação. Mas que entra mal no clube ao ser apresentado, não aos sócios e através da comunicação social, mas num jantar de uma claque. Pongolle, esse, custa 6,5 milhões. Não é dito onde estava esse dinheiro no Verão, quando, por exemplo, Nené saiu do Nacional por 5,5.
Sá Pinto anda à bulha com Liedson. Uma das razões para o incidente é a falta de autoridade que Sá Pinto tinha, porque a estrutura não lha conferiu. O incidente é posto imediatamente nos jornais e ainda não se sabe quem é o bufo.
O presidente vai de férias, sem se pronunciar sobre o sucedido.
São publicadas escutas do Apito Dourado. Numa delas, Bettencourt e o Paulinho são injuriados por Pinto da Costa. Ninguém do Sporting diz nada.O Sporting perde três jogos importantes seguidos. Bettencourt continua de férias.
Antes do jogo com o Benfica, Luís Filipe Vieira (LFV) acusa o presidente do Sporting de faltar à palavra. Não se defende.
A primeira vez que fala nos últimos tempos não é para se referir convenientemente ao caso Sá Pinto e ao bufo, às pesadas derrotas, às referências insultuosas nas escutas ou à acusação de falta de palavra de LFV. Não, é para dizer que Carvalhal depende dos resultados. Exige a este treinador o que nunca exigiu a Bento. Ou o que é que José Eduardo Bettencourt acha que «forever» quer dizer? Volta a desprezar o treinador quando diz que com Bento é que faria uma boa dupla. Portanto, dá este voto de confiança a Carvalhal no dia em que se vai tentar pôr fim a quatro derrotas consecutivas.
Mas não é só isso que JEB diz. Diz também que quer implementar um modelo à Porto, porque o Porto há 30 anos que é o melhor. JEB esquece que o modelo do Porto, escarrapachado nas escutas, assenta em fruta e cafezinhos e que muito tem lesado o Sporting. É que no Porto, em altura de crise, não é o presidente que mandam para o Brasil. É o árbitro.
Percebe-se porque é que o presidente ganha menos do que o Abel: é que o Abel tem de ficar cá a assistir ao descalabro, não se pode pisgar para o Brasil. De onde, se é para dizer estas coisas, JEB mais valia não ter voltado.
O que é que será preciso acontecer mais para ficarmos todos a par? «Em que é que João Pereira estava a pensar?» É o que muita gente se pergunta. Eu sei a resposta. Estava a pensar no Benfica–Nacional, também para a Taça da Liga, também apitado por Olegário Benquerença, em que uma agressão de Luisão foi punida apenas com um amarelo. O João Pereira achou que as regras são iguais para todos. Achou mal.
Mas justificar a derrota com a arbitragem é tapar o sol com a peneira. Perdemos porque o Benfica foi melhor. Aliás, o erro de arbitragem mais grave não foi o fora-de-jogo mal assinalado, em que o Sporting, no momento em que podia equilibrar a partida, foi cirurgicamente impedido de o fazer. (Até parecia um jogo do Porto, daqueles em que ganha 3-0, mas enquanto está 0-0 há um go-lo mal anulado ao adversário). Não, o maior erro de arbitragem nem foi do árbitro. Foi nosso. Se o Javi García tinha um amarelo, era pôr o Matías perto dele, tentando arrancar o segundo. Nem isso soubemos fazer.
Aliás, Javi nem devia ter jogado, devia estar suspenso pela agressão no Benfica–Guimarães. Esse caso é um bom exemplo para explicar o benfiquismo, principalmente nesta época. E não é pelo argumento «o árbitro viu, mas quis beneficiar-nos», uma admissão descarada do Benfica, usada para anular o sumaríssimo.
Antes disso, no Dia Seguinte, Sílvio Cervan desvalorizou a agressão, dizendo que, na altura, ninguém do Vitória se tinha queixado. Já há três semanas, no Trio de Ataque, um dos argumentos para António-Pedro Vasconcelos dizer que Falcao marcou com a mão foi o facto de um jogador do Paços de Ferreira refilar, a apontar para a mão. Porque para os benfiquistas, quem refila mais, tem mais razão.O que não é verdade. Basta ver que, em matéria de mãos na bola, na época passada, apesar de o Di María ter refilado muito a pedir mão, não foi por isso que cresceram dedos no peito do Pedro Silva. Mas é um facto que, sendo em maior número, os benfiquistas fazem mais barulho a refilar. Se uma árvore cair numa floresta, sem ninguém ao pé, fará barulho? É indiferente: se as outras árvores forem benfiquistas, o barulho delas abafa o som da queda.
Se Marc Zoro fosse jogador emprestado pelo Porto ao Setúbal e, durante um jogo entre as duas equipas, no último minuto fizesse um penalty daquela maneira, o barulho dos benfiquistas ia ser ensurdecedor. Até já estou a ver a manchete: Zoro sob azul! Como foi com o Benfica, houve silêncio.
O pior é que há quem, estando em posição de decidir, se deixa influenciar e acha que, por haver mais ruído benfiquista, beneficia o Benfica. O barulho é um grande complemento às simulações do Aimar, Saviola e Di María. Com barulho, a agressão do Luisão é menos grave que a do João Pereira.
Para os benfiquistas, quem aponta estas evidências é um anti-benfiquista e, queixam-se eles, o País está pejado de anti-benfiquistas. O que acaba por ser caricato. Depois de dizerem que são 15 milhões. De dizerem que o Benfica é Portugal. Depois de avisarem que vão negociar sozinhos as transmissões dos seus jogos, pois têm mais peso negocial, devido à maioria de espectadores que gostam de ver o Benfica. Depois de dizerem que é normal que a Sagres lhes pague mais, pois têm mais consumidores simpatizantes. Depois de dizerem que é óbvio que compensa ao Estoril fazer um jogo decisivo no Algarve, pois os benfiquistas enchem o estádio, aumentando a receita. Depois disto e quando se sabe que a maioria da imprensa desportiva é benfiquista e que uma cobertura favorável ao Benfica vende jornais e dá audiências, ainda se queixam que estão todos contra o Benfica. Todos? Todos, quem?

terça-feira, 2 de março de 2010

Uma nova modalidade...


O génio criativo do nosso país ofereceu um novo desporto à Europa e ao mundo: o “tunebol”. Explico. Quando as duas equipas de futebol se encontram nos túneis que ligam os balneários ao relvado, após provocações de figuras contratadas para o efeito, inicia-se uma cena de pancada entre os jogadores.

O vencedor será aquele que não reagir e que, portanto, mais pontapés e murros levar. Convém lembrar que o "tunebol" está limitado aos clubes que lutam pelo título nacional. Ou seja, quem chegar a Dezembro/Janeiro em condições de ser campeão, participa no "mini-torneio" de "tunebol", para se clarificarem posições para a segunda metade da época. O campeão do "tunebol" ficará numa óptima situação para ganhar a liga.

De acordo com o seu estatuto de clube com mais títulos em Portugal, este ano o campeão do "tunebol" foi o Benfica. E não julguem que foi fácil. Exigiu muito trabalho e uma fina psicologia por parte de Jorge Jesus. Foi necessário repetir vezes sem conta, desde o início da época, aos seus jogadores: "se levarem um murro, dão a outra face para levarem um estalo". Imaginam o que deverá ter custado aos seus jogadores ouvirem, "se o Sapunaru te der um pontapé, vira a outra nádega para o Hulk te dar outro"; ou "se o Mossoró te der um estalo, dás a outra face para o Vandinho te dar um murro". E resultou.

Os jogadores do Benfica tornaram-se um exemplo de boa educação, de auto-controlo e de pacifismo. São já um exemplo para toda a Europa. Houve mesmo um jornal inglês que afirmou: a "Inglaterra deu o ‘greenpeace' ao mundo; e o Benfica deu o ‘redpeace'". Contaram-me que nas paredes do balneário, há cartazes do Dalai Lama por todo o lado. O presidente do Benfica estará a pensar convidá-lo para assistir ao jogo do título, para o apresentar como a grande inspiração da "nação pacifista". Já há mesmo quem diga que a única maneira do Sá Pinto e do Bruno Alves se emendarem é através de um estágio na Luz.

Mas o "tunebol" não se fica pelos provocadores e pelos jogadores; exige igualmente membros na Liga de Futebol com "olho de falcão", como se costuma dizer no nosso país. Pensam que é fácil olhar, através de gravações, para um molho de dez jogadores e vinte braços e perceber que foi o Hulk ou o Vandinho os únicos a agredirem. Experimentem ver as imagens e vejam se é fácil. Por fim, não há datas para terminar o mini-campeonato do "tunebol". Se um dos olhos de falcão voltar às imagens daqui a três meses e perceber que afinal o Helton, ou o Hugo Viana também agrediram, far-se-á então justiça. Nunca é tarde para punir quem bate. "Glorioso, glorioso, nos túneis és poderoso"; eis o novo grito das claques benfiquistas.

In Economico.sapo.pt por João Marques de Almeida, Professor universitário